Início Artigos Pragas e doenças – pulgões

Pragas e doenças – pulgões

7267
7
COMPARTILHAR
orquideas.eco.br - pragas e doenças nas orquídeas - pulgões

O cenário é mais ou menos este: você está olhando suas orquídeas e vê um bichinho minúsculo, dependendo da cor até bonitinho, com no máximo 5 milímetros de tamanho. Você pensa: que mal pode fazer um ser deste tamanho? Pois não se engane, estes insetos são extremamente vorazes e pode ser considerado umas das pragas mais perigosas às espécies vegetais. Lembre-se que eles nunca estão sozinhos, ou seja, quando não controlada rapidamente, uma infestação de pulgões pode ser fatal.

Também conhecidos como piolhos-das-plantas, estas pequenas pragas também podem transmitir doenças virais que prejudicam bastante as produções em escala. São atualmente conhecidas cerca de mil espécies de afidoideos, de ocorrência mais freqüente nas regiões temperadas com certa incidência também em zonas tropicais. Eles podem ser que podem ser pretos, brancos, marrons, amarelos, cinzas e verdes.

Folhas mais novas e delicadas são os alvos preferidos desses intrusos sugadores de seivas. Vivendo em colônias, os grupos são compostos quase que exclusivamente por animais do sexo feminino, que se reproduzem rapidamente por partenogênese, ou seja, sem participação de machos. Isto resulta em uma infestação rápida, notada primeiramente através de folhas amarelas e enroladas, depois do atrofiamento da planta. Os pulgões podem aparecer em qualquer época do ano, mas os períodos mais propícios ao ataque são a primavera, o verão e o início do outono.

Os pulgões excretam um líquido açucarado que favorece o crescimento de fungos de coloração escura, levando à diminuição da área fotossintética da folha. Além disto, as formigas, por seu lado, usam a gosma adocicada excretada pelos pulgões numa simbiose em que chegam até a transportá-los para plantas mais saudáveis, quando as hospedeiras já estão muito danificadas. São as formigas-pastoras, que usam os pulgões como “vaquinhas de ordenha”. A joaninha é o seu principal predador, entretanto os pulgões são defendidos delas pelas formigas.

orquideas.eco.br - pragas e doenças nas orquídeas - pulgões

orquideas.eco.br - pragas e doenças nas orquídeas - pulgões

As plantas atacadas por pulgões sofrem engruvinhamento das folhas, provocado pela sucção que ocorre na face debaixo da mesma. Essa lesão nas folhas acaba por reduzir o crescimento da planta. Além disto, os pulgões são vetores de metade dos 600 vírus conhecidos das plantas. Também com os vírus os pulgões tem uma simbiose, mas essa é intermediada por uma bactéria que habita no seu interior.

Controle

A melhor forma de controlar uma infestação de pulgões em suas plantas é através de remédios naturais feitos em casa, como por exemplo a calda de fumo. Isto porque alguns pulgões podem desenvolver resistência a esses pesticidas químicos, sobretudo quando aplicados repetidamente. Além disto, o veneno tende a eliminar os predadores naturais do pulgão.

Existe uma forma de realizar o controle biológico com pequenas vespinhas parasitóides. Estas colocam ovos dentro do corpo dos pulgões e alimentam-se do conteúdo interno do hospedeiro. O pulgão parasitado transforma-se em uma múmia, adquirindo aspecto e coloração diferente dos demais. Estas “múmias” não precisam ser removidas, uma vez que darão origem a outra geração de parasitóides que atacará outros pulgões sadios.

Se a orquídea infectada estiver muito “gosmenta”, lave suas folhas e caules com água e sabão em barra. Sempre que pulverizar sua planta infetada, prefira fazê-lo à noite para evitar que o sol interaja com o remédio aplicado causando queimaduras nas folhas.

orquideas.eco.br - pragas e doenças nas orquídeas - pulgões (4)
Pulgões em uma dama da noite
orquideas.eco.br - pragas e doenças nas orquídeas - pulgões (5)
Pulgões em uma dama da noite

Algumas receitas fáceis de fazer em casa

  1. Alho e cebola são remédios caseiros fáceis de preparar. Você deverá cozinhar o alho inteiro, ou as cascas de cebola, em 500 ml de água. Deixe ferver, esfriar e filtrar, depois do que pode ser pulverizado nas plantas;
  2. Infusão de ervas diversas: Neste caso você pode usar, por exemplo, cavalinha, anis, coentro á razão de um punhado de ervas secas para 1 l de água fervente. Deixe descansar, esfriar, coe e pulverize;
  3. Água de pimenta: bata no liquidificador algumas pimentas em 2 copos de água. Deixe repousar durante a noite toda. Na manhã seguinte, coe a mistura e dilua em ais um copo de água. Pulverize à noite, 1 a 2 vezes por semana;
  4. Macerado de urtiga: deixe um molho grande de urtigas verdes, novas, de molho durante 10 dias. Mexe-se esse molho diariamente, com uma varinha, até as folhas se separarem do caule. Com esse preparado pode-se regar as plantas infestadas ou pulverizá-las.

Calda de fumo

Existem várias receitas de calda de fumo por aí, bastando você escolher uma e testá-la. Vou colocar duas aqui que, embora um pouco diferentes, deverá ter o mesmo resultado. Deverá ser pulverizada em toda a planta por dias seguidos, até o total extermínio dos pulgões.

Calda de fumo – receita sem álcool

Ingredientes
  • 1 litro de água;
  • 10 centímetros de fumo de rolo, ralado;
  • ½ sabão em barra, ralado.
Modo de preparo

Faça um macerado com todos os ingredientes e deixe-o descansar por 24 horas. Com a calda resultante, pulverize suas plantas. O sabão é usado para facilitar a permanência da água de fumo nas folhas e caules. Pulverize sobre as plantas.

Calda de fumo – receita com álcool

Ingredientes
  • 250 g de fumo de corda;
  • 100 ml de álcool hidratado (comum);
  • 1 litro de água fervente;
  • detergente comum.
Modo de preparo

Pique o fumo de corda e coloque-o em uma vasilha com tampa. Acrescente a água fervente e tampe, deixando a mistura em repouso por 24 horas. Depois disso, agite o conteúdo e filtre-o em pano fino espremendo bem para retirar o máximo de extrato. Acrescente o álcool, que servirá de conservante para a solução. Guarde-a em um frasco escuro. Para o tratamento das plantas infestadas, dilua 100 ml da solução de fumo em 1 litro de água. Acrescente dez gotas de detergente caseiro (para quebrar a tensão superficial da água) e pulverize sobre as plantas.

Referências

Abraços!

7 COMENTÁRIOS

  1. Realmente Luis…uma coisinha tão pequena, se não for observada e tratada poderá causar sérias dores de cabeça (por causa do estrago material que afetará as plantas); de fato, as dicas caseiras que deixou podem orientar muita gente, que necessite livrar suas orquídeas de determinadas pragas.
    Abraço!

Deixe uma resposta