Início Vasos Utilizando bokashi nas orquídeas

Utilizando bokashi nas orquídeas

9093
0
COMPARTILHAR
orquideas.eco.br - bokashi
HashFlare

Você quer adubar suas orquídeas mas ao mesmo tempo não quer usar tanta coisa industrializada e sim algo mais natural? Talvez o bokashi seja uma excelente opção para você!

Considerado um produto milagroso, o bokashi possui várias adeptos no Brasil, significa em japonês “farelos fermentados”. Feito com diversos tipos de farelos de cereais como arroz, trigo e soja, fermentados por micro-organismos benéficos que fornecem diversos tipos de micro e macronutrientes à planta. Além destes elementos básicos, cada orquidófilo pode acrescentar diversos ingredientes afim de encontrar o produto ideal sua cultura, sendo que cada composição procura fornecer à planta o que ela mais precisa.

Existem dois métodos de fabricação. No primeiro, aeróbio, os farelos misturados passam pelo processo de fermentação ao ar livre. Nesse caso há uma dispersão de nitrogênio muito grande, além do mau cheiro. Já no processo anaeróbio a mistura fica acondicionada em sacos plásticos resistentes que retêm o nitrogênio.

Como é um adubo de liberação lenta, o bokashi deve ser aplicado a cada quatro ou cinco meses. Como o principal elemento do bokashi é a presença dos micro-organismos, é importante evitar o uso de fungicidas e bactericidas, pois eles morrerão e o bokashi perderá seu efeito. Sua dosagem não precisa ser elevada e normalmente meia colher de sopa na borda do vaso é suficiente. Mais que isto pode amarelar as folhas e até matar a planta.

Vantagens

O bokashi tem muitas vantagens em relação ao adubo convencional. Entre elas:

  • Estimula o equilíbrio da biota: favorece a mesofauna e os microrganismos benéficos;
  • Suprime o desenvolvimento de doenças por causa da proteção extra dada pelos micro-organismos presentes. Eles são antagônicos a muitos outros micro-organismos causadores de doenças nas orquídeas, ou seja, os micro-organismos q estão presentes no bokashi inibem o desenvolvimento de fungos e bactérias. Doenças como a podridão negra e murcha dos bulbos geralmente não são encontradas em plantas adubadas com bokashi;
  • Contem nutrientes na forma orgânica: quelados orgânicos, aminoácidos, açucares e outras que não estejam disponibilizados na forma de sais solúveis;
  • Substancias estimulantes vegetais: enzimas, ácidos orgânicos, fito hormônios, etc;
  • Matérias primas seguras, livre de contaminantes, sem resíduos poluentes, metais pesados, microrganismos patogênicos, etc.

Desvantagens

Infelizmente, nem tudo é perfeito quando utilizamos o bokashi. Devemos ter alguns cuidados ao utilizá-lo:

  • Devido à sua composição e forma de utilização, a desvantagem do bokashi é o eventual aparecimento de lesmas. É necessário ficar atento aos sintomas, como brotos e folhas comidas;
  • O uso em excesso de bokashi poderá criar desequilíbrio químico e nutricional, liberando os aminoácidos na seiva das plantas e favorecendo o ataque de pragas e doenças;

Você pode comprar o bokashi pronto ou se aventurar tentando fabricá-lo em casa. Caso queira se aventurar na fabricação do bokashi, você verá que existem inúmeras receitas na Internet, muitas deles complicadas (medir pH, temperatura, revirar o material todos os dias…) e que geram muito material.

Reproduzo esta receita proveniente do site Mungo-Verde, pois é mais simples e produz menos quantidade bokashi, sendo mais fácil fazê-la em casa.

Receita: como fazer seu bokashi em casa

A receita abaixo é de uma variante do bokashi chamada Kenki Bokashi. Para fazer o bokashi em casa você irá precisar dos seguintes materiais:

Ingredientes e materiais necessários

  • 4,5 quilo de farelo de arroz (ou trigo, soja, ou ainda um mix destes);
  • 1 quilo de torta de mamona;
  • 0,6 quilo de farinha de osso;
  • 0,5 quilo de cinza de madeira;
  • 0,5 quilo de palha de arroz ou casca de café;
  • 1 litro de solução EM-4 (microrganismos eficazes) ativado (ativa-se com 900 mililitros de água de nascente ou de mina (ou extremamente limpa), 50 mililitros de EM-4 e 50 gramas de açúcar);
  • 1 balde de 10 litros com tampa ou um recipiente equivalente que possa ser bem tampado;
  • 1 saco plástico resistente (exemplo: saco de lixo preto de 30 litros).

Lembre-se que o produto utiliza micro-organismos vivos e por isto não é recomendada a utilização de água tratada com cloro na produção do bokashi e na irrigação de plantas que o recebem. Caso essa seja a única opção, deixe a água descansar em um recipiente por 24 horas ou use um anti cloro comercial (lojas de aquário tem).

Como fazer

  1. Misture bem os ingredientes secos (farelo, torta, farinha, cinza e palha);
  2. Acrescente a solução de EM-4 aos ingredientes de modo homogêneo para que a umidade em toda mistura seja uniforme. Isto é essencial para que haja uma boa fermentação. Este preparado deve ter um teor de umidade que, ao formar um bolinho da mistura na mão e aperta-lo entre os dedos, sua consistência se mantenha mesmo depois de aberta a mão;
  3.  Coloque um saco plástico sem nenhum furo dentro do balde de 10 litros;
  4. Despeje a mistura preparada dentro do balde forrado e compacte o mais que puder;
  5. A umidade geralmente se acumula na superfície da embalagem, prejudicando também o processo de fermentação. Para evitar esse problema, preencha o espaço entre o saco plástico e a boca do balde com uma camada de 3 cm de farelo de arroz seco bem compactado;
  6.  Feche o saco plástico de modo que não entre ar na mistura e tampe o balde;
  7. ATENÇÃO: São nesses dois passos acima (4 e 5) que mora o segredo deste bokashi (Kenki Bokashi): a temperatura da fermentação anaeróbica não ira passar dos 50ºC. Para que ela ocorra perfeitamente não deve sobrar nenhum espaço com ar dentro do saco/balde. Qualquer abertura que possibilite a entrada de ar resultará em má fermentação da mistura e elevação da temperatura que poderá passar dos 50ºC prejudicando a qualidade do produto final que desejamos;
  8. Acondicione o balde em um local fresco e seco por um período de 15 a 20 dias;
  9. Após esse prazo, abra o balde e o saco plástico, retire a camada de farelo acrescentado no passo 5 e se exalar um cheiro agridoce agradável de fermentação láctica, a fermentação ocorreu com sucesso e o produto pode ser usado imediatamente. Se porventura o cheiro for fétido e nada agradável, provavelmente você não compactou direito a mistura ou deixou entrar ar durante a fermentação. Nesse caso a mistura deve ser descartada. Se houver também bolores brancos sobre a mistura, tudo bem. Se os bolores forem verdes ou pretos, descarte a mistura;
  10. O preparado deve ser usado o mais breve possível, ou espalhado sobre uma superfície protegida e deixá-lo secar a sombra, para que não entre em processo de fermentação aeróbica com elevação de temperatura. Durante a secagem do kenki bokashi haverá a multiplicação de fungos filamentosos, o que o deixa bem parecido com o seu irmão bokashi de fermentação aeróbica.

Utilizando o bokashi

Nos vasos de orquídeas, colocar 1 colher de café rasa por mês, em uma das bordas do vaso, longe da planta. Esta aplicação é mensal, e no próximo mês coloque-o na borda oposta, no mês seguinte comece a fazer uma cruz e assim por diante até o limite de 4 colheres para vasos pequenos, 6 para médios e 8 para grandes. Não use bokashi enquanto a planta estiver florida.

EM-4 ou microrganismos eficazes

EM (EM-4 ou EM-5) ou microrganismos eficazes são um conjunto de micro-organismos que vivem no solo naturalmente fértil. Nele coexistem mais de 10 gêneros e 80 espécies de micro-organismos chamados de eficazes pois agem no solo, fazendo com que a sua capacidade natural tenha plena ação.

Como fazer

Para fazer o EM-4 basta cozinhar uns 3 a 4 copos americanos de arroz sem óleo ou temperos até que ele fique parecendo uma papa. Coloque essa papa em uma mata sob as folhas caídas no chão (se quiser enterrar um pouco será melhor) e deixe lá por 1 semana. Colete o arroz e retire os bolores ou fungos de coloração preta e cinza, deixando somente os coloridos e de cor clara. Agora basta misturar com uns 5 litros de água (sem cloro), um pouco de farelo de arroz e 1 litro de caldo de cana e você já tem seu EM-4. Opcionalmente você pode misturar um potinho de Yakult para complementar os lactobacilos do EM-4. Guarde essa mistura à sombra em um local fresco e ventilado.

Referências

Abraços!

Deixe uma resposta