Início Artigos Aspirina no cultivo de orquídeas

Aspirina no cultivo de orquídeas

34627
22
COMPARTILHAR
HashFlare

Certo dia um amigo comentou que usava aspirinas no sistema de aspersão de seu orquidário, junto com o Extrato Pirolenhoso e fertilizantes. Achei estranho e me perguntei por que a aspirina estaria sendo utilizada no cultivo de orquídeas. Enfim, fui pesquisar um pouco sobre o fundo científico disto e as experiências de quem usa.

A aspirina nada mais é que o Ácido Acetil Salicílico (composto industrial), o mesmo princípio ativo dos comprimidos (por exemplo, AAS). Nas células vegetais, o equivalente dele são os salicilatos. A salicina (C13 H18 O7) utilizada nos comprimidos é também encontrada na casca do salgueiro. Os Índios Nativos de América do norte mastigavam talos de salgueiro para se livrar das dores de cabeça, e posteriormente os botânicos perceberam que alguns capins e outras plantas aquáticas que cresciam nas margens dos rios entre as raízes dos salgueiros cresciam melhor e amadureciam mais depressa devido à salicina.

Em 1757, Edmund Stone, um inglês natural de Oxfordshire, provou a casca do salgueiro e ficou surpreso com o seu intenso sabor amargo. Sua semelhança com o sabor da casca do “Peruvian” (Cinchona) – um remédio raro e muito caro utilizado para malária – chamou a atenção de Stone, levando-o à iniciar uma observação clínica cuidadosa, que durou seis anos e culminou com uma carta ao Honorável George Conde de Macclesfield, Presidente da “Royal Society”, relatando sua descoberta. Stone baseou-se na teoria de que muitas doenças naturais carregam com elas sua cura, ou que sua cura não está muito distante da sua causa.

O salgueiro, assim como as doenças febris, são abundantes nas regiões úmidas. Apesar de não saber, o que ele acabava de descobrir era que os salicilatos – termo geral para os derivados do acido salicílico – reduziam a febre e aliviavam as dores produzidas por uma variedade de doenças agudas que provocavam calafrios, como a malária. A casca do salgueiro (Salix alba) é adstringente porque contém grande quantidade de salicina, o glicosídeo do ácido salicílico.

Transformando a salicina em ácido salicílico temos a famosa aspirina. A literatura recente indica que a aspirina também é agente efetivo no tratamento de infecções fúngicas.

Em experimentos, notou-se que as flores de corte sobrevivem mais e melhor quando se acrescenta um pouco de aspirina na água do vaso. Uma explicação para isso seria a alteração da acidez da água para uma faixa de Ph que dificulta a proliferação de bactérias e fungos e também na redução do estresse da planta por causa do corte. Enquanto a tendência nas células afetadas é aumentar a produção de etileno que acelera o envelhecimento e morte dos tecidos (senescência na linguagem agronômica), a aspirina inibe a síntese dele. Nas orquídeas, a aplicação de doses corretas de aspirina deverá promover a redução dos seus efeitos e por isso as plantas tratadas sejam capazes de suportar melhor as condições adversas como o ataque de pragas ou variações bruscas de temperaturas, etc.

A revista da AOS (American Orchid Society) de outubro de 2001 traz um texto interessante de Dot Henley, sobre a utilização de aspirina em suas orquídeas. Eis o trecho que indica a experiência do autor, assim como dosagens e resultados:

…comecei a tratar nossa coleção de orquídeas com uma dose semanal de aspirina. Percebi que podia multiplicar a boa diluição de 1/10.000 acrescentando três quartos de aspirina por galão de água. Temos umas 2.000 orquídeas, então usei 15 aspirinas para os 20 galões do reservatório do aspersor. Na fase de crescimento acrescentei 6 colheres de sopa de fertilizante sólido e um jato de Whisky. No inverno usei 3 colheres de fertilizante sólido (desculpem as reiterações do professor, mas uma aspirina completa por galão vai brecar o crescimento, e também não se deve usar este sistema se a sua água tem teor ácido. Nossa água tem normalmente um pH de 9.0 e a aspirina abaixava o nível do pH para 8.6).
As orquídeas recebiam regas ou água de chuva normalmente durante a semana. Para fazer 12 galões de solução fertilizante, combine 9 aspirinas com 12 galões de água; para 4 galões acrescente 3 aspirinas em 4 galões de água; e para fazer somente 1 galão dilua 1 aspirina num copo de água, jogue fora 1/4 dele e então acrescente água para completar 1 galão.
Nossas plantas tiveram mais floração, maior crescimento e menos problemas de fungos desde que a aspirina se tornou parte de nosso trato cultural. A única mudança tem sido acrescentar aspirina uma vez por semana. Pode ser a redução do pH, ou quiçá a mágica que dilui o nosso sangue e para as dores e sofrimentos que também nos ajuda a cultivar melhores orquídeas.
A outra coisa que aprendi e que venho usando por vários anos provem de um projeto de ciências de um dos meus alunos. Não se aplicava a orquídeas, mas as seis ou mais variedades de plantas de jardim tratadas demonstraram que o maior aproveitamento metabólico acontece às 11 horas e era melhor aplicar o fertilizante (e o herbicida também) nesse horário.

Claro que é apenas uma experiência apenas. A aspirina em outros países tem dosagens diferentes. Aqui no Brasil, a mais comum é a de 500mg. Para equalizar o cálculo de quantidade, seria necessário usar em média meio comprimido para 4 litros de água.

Dos orquidófilos que conheço, apenas meu amigo Antonio Carlos Gonçalves, do Substrato Best Mix Orquídeas, tem usado constantemente, com a dosagem de 1 comprimido (500mg) para cada 10 litros de água. Segundo ele, os resultados são muito bons e, principalmente, visíveis.

Bom, eu estarei iniciando seu uso em meu orquidário, assim que as chuvas da capital paranaense derem um trégua. Acho que desde o meio de outubro meu sistema de aspersão está desligado, pois todos os dias tem chovido em Curitiba.

Assim que eu notar algum resultado, volto a postar sobre o assunto.

Referências

Abraços!

22 COMENTÁRIOS

  1. Que coisa hein! Quando que eu imaginaria uma coisa dessas? Nunca!
    Acho que é por causa de postagens autênticas – como esta – que este site é indispensável!
    Grande abraço Luis!

    • Vamos ver… tenho amigos usando e dizendo que ajuda, mas é difícil mensurar…

      Aqui ainda não usei, mas vou pensar seriamente no caso assim que as chuvas pararem e eu voltar a usar meu sistema de irrigação automática.

      Abração!

    • Vamos ver… tenho amigos usando e dizendo que ajuda, mas é difícil mensurar…

      Aqui ainda não usei, mas vou pensar seriamente no caso assim que as chuvas pararem e eu voltar a usar meu sistema de irrigação automática.

      Abração!

    • Oi Simara

      Ainda não. Estou reformando o orquidário em casa e assim que terminar colocarei alguns métodos novos em ação, como a aspirina e a água oxigenada (artigo que vai ao ar nas próximas semanas). Quando eu tiver resultados e te conto, pode deixar!

      Abração

    • Oi Denise.

      Tenho usado, mas confesso ser difícil avaliar o resultado apenas da aspirina porque uso com outros elementos, como o adubo e o extrato pirolenhoso (e às vezes com a água oxigenada). Mas no geral tudo tem dado muito certo!

      Abraços

  2. Muito boa essa materia !!! Como sempre está de parabéns .. Em relação a água oxigenada que citou acima quero muito ver sua postagem assim que sair pois estou precisando ..obrigada

  3. Eu utilizo a Aspirina a mais de 1 ano semanalmente e percebi uma boa melhora em meu cultivo , inclusive não tive mais problemas com alguns tipos de pragas, tendo em vista que moro em região de mata e aqui virava e mexia sofria com fungos, moscas e percevejos. E percebi que minhas florações aumentaram.Sou sua fã e adoro suas matérias <3

Deixe uma resposta