Orquídeas do mato (3) – conscientize-se
7

A magia da Laelia pumila

8

Sophronitis coccinea

0
1423-Maxillaria-picta

Maxillaria picta

6

Coelogyne flaccida

16

Orquídeas

Início Orquídeas Página 18

Rhetinantha cerifera

0

A Rhetinantha cerifera foi uma grata surpresa quando floriu. Veio em uma grande touceira de outra espécie e quando floriu pude separá-la. Comprei uma e acabei levando duas. Confesso que até então não tinha visto a espécie e fiquei bastante feliz com a surpresa, já que é um florzinha muito simpática.

Ficha da planta

Conhecida como: Maxillaria cerifera Barb. Rodr. 1877;
Sinônimos: Maxillaria divaricata [Barb Rodr. Cogn 1904; Maxillaria fallax Schltr. 1929; Maxillaria nervosa Rolfe 1895; Ornithidium ceriferum (Barb. Rodr.) Barb. Rodr. 1881; Ornithidium divaricatum Barb. Rodr. 1882; Rhetinantha cerifera (Barb. Rodr.) M.A. Blanco 2007;
Origem: Brasil;
Planta: Epífita, 5~10 centímetros;
Flor: 1,5 centímetros;
Época de floração: outono e inverno;
Longevidade das flores: 15~20 dias;
Fragrância: leve;
Luminosidade: média;
Umidade: média;
Dificuldade de cultivo: fácil;

Rhetinantha cerifera

Abraços!

Acianthera oligantha

0

A Acianthera oligantha é uma plantinha simpática que difere um pouco do que estamos acostumados ao ver Aciantheras. De cor chamativa, é uma interessante aquisição para qualquer coleção, formando touceiras rapidamente.

Ficha da planta

Conhecida como: Pleurothallis oligantha Barb.Rodr. 1881 SUBGENUS Acianthera SECTION Brachystachyae Lindley 1859;
Sinônimos: Acianthera oligantha (Barb.Rodr.) F.Barros 2003;
Origem: Brasil;
Planta: Epífita, 10~15 centímetros;
Flor: 1 centímetro;
Época de floração: primavera;
Longevidade das flores: 15 dias;
Fragrância: nenhuma;
Luminosidade: média;
Umidade: média;
Dificuldade de cultivo: fácil;

Acianthera oligantha

Abraços!

Lepanthes terborchii

2

O Lepanthes terborchii é uma micro orquídea encontrada no Peru, epífita originária de clima frio, que floresce normalmente no inverno.

Como todo Lepanthes, é uma planta difícil de ser encontrada em coleções nacionais. Sua raridade por aqui é compensada por sua beleza, como visto nas fotos abaixo.

Nomenclatura

Lepanthes terborchii Luer & Sijm 2001.

Cultivo

Mantenha a planta em local sombreado. Pode ser cultivada em clima ameno a frio, em locais com boa circulação de ar e alta umidade. Utilize cascas extremamente finas com perlita ou musgo como substrato. Mantenha a planta sempre úmida irrigando-a constantemente.

Fotos

Referências

  • orchidspecies.com

Abraços

Masdevallia nidifica

0
1350 - Masdevallia nidifica
1350 - Masdevallia nidifica

Quem acompanha meu blog sabe o quanto sou apaixonado por esta espécie. Quando vejo uma, como esta Masdevallia nidifica, não resisto muito. Um exemplo é o que aconteceu na exposição de orquídeas de Curitiba.

Lá estava o vasinho desta planta, meio abandonadinho, coitado. Vi que ela pequenina mas valente, já com algumas flores. Comprei? Não, ganhei. Acabei comprando uma outra planta e meu filho, com toda sua simpatia de quase 1 ano de idade, ganhou esta plantinha. Tá certo que o pai jogou uns verdes para colher maduro… mas deu certo.

Ficha da planta

Conhecida como: Masdevallia nidifica Rchb.f 1878 SUBGENUS Nidificia Luer 2000;
Sinônimos: Buccella nidifica (Rchb.f.) Luer 2006 Masdevallia cyathogastra Schltr. 1918; Masdevallia tenuicauda Schltr. 1923;
Origem: Costa Rica, Panamá, Colômbia, Equador e Peru – entre 450 e 2500 metros de altura;
Planta: Epífita, 5~10 centímetros;
Flor: 3 centímetros;
Época de floração: inverno e primavera;
Longevidade das flores: 5~10 dias;
Fragrância: não;
Luminosidade: média, baixa;
Umidade: média;
Temperatura: média;
Dificuldade de cultivo: médio.

Abraços!

Masdevallia Confetti

0

Ontem falei que iria fotografar hoje a flor da minha Masdevallia Confetti. Então, fui fazer o serviço há pouco. Para minha surpresa, ela estava já bem debilitada. Até estranhei ter durado tão pouco, mas no fundo até sei o motivo. Mas tudo bem, tentei fazer o que dava para mostrar o que sobrou desta mistura tão maravilhosa.

Ficha da planta

Conhecida como: Masdevallia Confetti;
Hibridação: Masdevallia glandulosa x Masdevallia strobelii.

Masdevallia Confetti
Masdevallia Confetti

Uma pena!

Abraços!

Masdevallia chaparensis

0
1317 - Masdevallia chaparensis
1317 - Masdevallia chaparensis

Mais uma Masdevallia dá o ar da graça em casa, a Masdevallia chaparensis.

Sim, as que comprei no final do ano passado estão florindo, uma de cada vez. Esta é, de longe, a mais bela até agora. Mas ao contrário da última que floriu, esta me presenteou apenas com uma flor. Mas não importa, é linda.

Como as outras Masdevallia’s que tenho, está em cachepot de madeira, fibra e esfagno. Além de estar em um lugar úmido (pelo menos estava até eu iniciar a reforma do orquidário).

Ficha da planta – Masdevallia chaparensis

Conhecida como: Masdevallia chaparensis T. Hashim 1978 SUBGENUS Masdevallia SECTION Masdevallia SUBSECTION Masdevallia;
Sinônimos: Masdevallia hajekii Luer 1978;
Origem: Bolívia – entre 2400 e 2800 metros de altitude;
Planta: Epífita, 7~12 centímetros;
Flor: 3 centímetros;
Época de floração: primavera, verão, outono;
Longevidade das flores: 15 dias;
Fragrância: não;
Luminosidade: baixa;
Umidade: média;
Temperatura: baixa;
Dificuldade de cultivo: baixa;

1317 - Masdevallia chaparensis

1317 - Masdevallia chaparensis

1317 - Masdevallia chaparensis

1317 - Masdevallia chaparensis

Abraços!

Masdevallia ignea

0

Minha Masdevallia ignea está em um vaso plástico transparente, com musgo chileno e brita como substrato. Está em local bem ventilado e com umidade constante. Tem se mostrado uma planta difícil de crescer como as outras Madevallias. Pelo tempo seco dos últimos tempos, algumas folhas sempre estão secando as pontas. Espécie que tem florescido pouco aqui em casa, uma vez ao ano e com poucas hastes.

Nomenclatura

Masdevallia ignea Rchb. f. 1871 SUBGENUS Masdevallia SECTION Masdevallia SUBSECTION Coccineae Veitch 1889

Sinônimos: Masdevallia boddaertii Linden ex André 1879; Masdevallia ignea f. citrina (Stein) O.Gruss & M.Wolff 2007; Masdevallia ignea var. armeniaca B.S.Williams 1894; Masdevallia ignea var. aurantiaca B.S.Williams 1894; Masdevallia ignea var. boddaertii Linden ex André 1879; Masdevallia ignea var. citrina Stein 1892; Masdevallia ignea var. coccinea Stein 1892; Masdevallia ignea var. goorii Sander 1901; Masdevallia ignea var. grandiflora B.S.Williams 1894; Masdevallia ignea var. hobartii Stein 1892; Masdevallia ignea var. marschalliana Rchb.f. 1872; Masdevallia ignea var. massangeana B.S.Williams 1887; Masdevallia ignea var. pulchra Vuylsteke ex Cogn. 1897; Masdevallia ignea var. rubescens Linden ex Kraenzl. 1925; Masdevallia ignea var. splendens Stein 1892; Masdevallia ignea var. stobartiana Rchb.f. 1881; Masdevallia ignea var. superba Linden ex Kraenzl. 1925; Masdevallia ignea var. tomasonii Gentil 1907; Masdevallia ignea var. vuylstekeana Cogn. 1897;

Sobre

Encontrada na Cordilheira Oriental da Colômbia, em elevações de 2600 a 3800 metros, como uma orquídea terrestre de crescimento de clima frio. De pequeno porte, com ramicaule robusto, ereto, envolvido basicamente por 2 a 3 bainhas tubulares soltas e carregando folha oblonga sub ereta, elíptica-lanceolada, coriácea, verde escura que é estreitamente cuneiforme abaixo no pecíolo sulcado e tem uma única flor ereta, delgada e terete. A inflorescência possui cerca de 30 a 37,5 cm de comprimento, segurando a flor bem acima das folhas. Ocorre no final Primavera e Verão.

Pleurothallis mystax

0

Meu Pleurothallis mystax está desenvolvendo muito bem em um vaso plástico transparente, com musgo chileno e brita como substrato. Está em local bem ventilado e com umidade constante. Tem se mostrado uma planta de fácil cultivo e de crescimento rápido, formando uma bela moita em pouco tempo. Bastante florífera, embeleza o orquidário durante sua floração.

Nomenclatura

Pleurothallis mystax Luer 1976 SUBGENUS Mystax Luer 1986

Sinônimos: Mystacorchis mystax [Luer] Szach & Marg. 2001; Stelis mystax (Luer) Pridgeon & M.W. Chase 2001;

Sobre

Encontrado nas florestas nubladas do Panamá em elevações de 650 a 1000 metros, de crescimento frio a quente, epífita em miniatura com um ramicaule bem desenvolvido envolto basalmente por uma bainha tubular solta, carregando uma folha única, apical, amplamente elíptica, obtusa, basalmente arredondada e séssil que floresce no outono em 2,5 cm de comprimento, com uma inflorescência com flor única originando-se de uma espata.

Dendrobium thyrsiflorum

0

Este Dendrobium thyrsiflorum está em uma caixeta relativamente grande, com substrato de cascas e nada mais. Fica na porta do meu orquidário coberto, mas na parte de fora, no alto, recebendo bastante luz e ventilação. Gosta bastante de água e noto que cresce bem recebendo a quantidade de água que uso em meus Pleurothallis.

Nomenclatura

Dendrobium thyrsiflorum B S Williams 1871 SECTION Densiflora

Sinônimos: Callista thyrsiflora (Rchb.f. ex André) M.A.Clem. 2003; Dendrobium densiflorum var. alboluteum Hook.f. 1869; Dendrobium galliceanum Linden 1890; Dendrobium thyrsiflorum var. bronckartii Cogn. 1904; Dendrobium thyrsiflorum var. minutiflorum Aver. 2012

Sobre

O Dendrobium thyrsiflorum é uma orquídea epífita que ocorre em matas úmidas da China ao Vietnã. De rara beleza quando florido, forma uma longa haste floral com flores pendentes bem brancas de centro amarelado, no formato de cacho.

Por ser originária da Ásia tropical e subtropical, a maioria dos Dendrobiuns aprecia regiões de clima tropical, e por esse motivo se adaptaram bem às condições brasileiras. As flores saem da lateral do bulbos através de gemas de brotação, que servem tanto para emitir flores, como também para brotação de “keikes”, os quais podem originar novas plantas. A partir do outono é necessário observar se os bulbos estão vigorosos, pois se estiverem murchos precisam de água. Gostam da luz natural intensa para que possa se desenvolver de forma saudável e sem pintas nas folhas.

Dracula chimaera

2

A Dracula chimaera é parta do gênero das orquídeas comumente chamado de cara de macaco (monkey face). Minha Dracula chimaera está cultivada em vaso plástico perfurado com musgo chileno. A luminosidade é média, a mantenho sempre úmida e a ventilação do local é constante.

Nomenclatura

Dracula chimaera (Rchb. f.) Luer 1978 SUBGENUS Dracula SECTION Dracula SUBSECTION Dracula SERIES Dracula

Sinônimos: Dracula senilis (Rchb.f.) Luer 1978 ; Masdevallia backhousiana Rchb.f 1879; Masdevallia chimaera Rchb.f 1872; Masdevallia chimaera var. backhousiana (Rchb.f.) A.H.Kent 1889;Masdevallia chimaera var. senilis (Rchb.f.) A.H.Kent 1889; Masdevallia chimaera var. stupenda (Rchb.f.) Stein 1892; Masdevallia senilis Rchb.f. 1885; Masdevallia wallisii Rchb.f var. stupenda Rchb.f 1875

Sobre

A Dracula chimaera é uma espécie de orquídea epífita de crescimento cespitoso cujo gênero é proximamente relacionado às Masdevallia, parte da tribo Pleurothallidinae. Esta espécie é originária do oeste da Colômbia, onde habita florestas úmidas e nebulosas.

Trata-se de espécie bastante variável, muito próxima da Dracula wallisii da qual pode ser diferenciada por suas sépalas mais estreitas, mas principalmente pelas proporções de algumas das estruturas do labelo. Alguns autores consideram as duas serem apenas variações da mesma espécie.

Redes Sociais

24,036FãsCurtir
8,621SeguidoresSeguir
1,379SeguidoresSeguir
955SeguidoresSeguir
8,910InscritosInscrever
- Advertisement -
- Advertisement -

Leia mais