Início Artigos Substratos para orquídeas – Materiais inertes

Substratos para orquídeas – Materiais inertes

3383
0
COMPARTILHAR
Substratos (5) – Materiais inertes
HashFlare

Substrato inerte? Que raios é isso?

Um substrato inerte seria aquele que não sofre variação ou não reagem com os elementos ao seu redor. Pelo menos deveriam ser assim.

Bom, já falei sobre o xaxim, a fibra de coco, o musgo e madeiras em geral. Todos eles tem suas propriedades no que se diz respeito à umidade e retenção de nutrientes. Mas utilizar apenas estes materiais (a exceção do xaxim, claro, por ser proibido) não é limitar e condicionar a planta a uma situação que poderia ser um pouquinho melhor? Ou mais econômica para o dono dela?

Sim. Você não irá montar um vaso apenas com musgo ou com fibras. Torna-se caro. E talvez a planta não se adapte só àquele substrato. Precise de alguma variação, aquilo que dê liga, que dê areação, secagem, umidade, ou simplesmente o controle necessário ao micro-habitat que ela se encontra.

Eu ia finalizar esta série de artigos falando das misturas que temos disponíveis por aí. Mas pensando bem, acho importante mostrar certos elementos que podem ser utilizados em conjunto com outros substratos para auxiliar o orquidófilo na tarefa de aclimatizar a planta da melhor maneira possível.

Alguns materiais inertes utilizados pelos orquidófilos são: cacos de cerâmica (telhas e vasos), pedras (brita, cascalho, seixos e ardósia), argila expandida, isopor e carvão vegetal. Estes materiais são normalmente usados em complemento a algum outro elemento no vaso. Se usado como substrato principal, deve-se redobrar a atenção com as regas e fertilizações, já que os materiais inertes tendem a secar rapidamente e não segurar o adubo por muito tempo. Além disto, é sempre bom efetuar a limpeza do material a ser utilizado para evitar a proliferação de fungos e bactérias. Uma boa fervida ou o tratamento com cloro deve resolver.

Carvão vegetal

Facílimo de achar, já que nada mais é do que o bom e velho carvão do churrasco de final de semana. Deve ser utilizado novo, pois o usado tem suas propriedades químicas alteradas e certamente prejudicará a planta. Bom para locais de clima úmido, pois não retém umidade. É ineficiente na retenção de adubo, mas tende a acumular sair com o tempo, sendo necessária lavagem periódica igual a que fazemos quando há acumulo de sais nos vasos, ou seja, uma boa ducha com água limpa. Leve, não dá sustentação à planta. É um excelente elemento para se utilizar em conjunto com substratos que retenham umidade, caso haja necessidade. Dura cerca de dois anos. Após este período satura em sais minerais e começa a esfarelar.

Brita, dolomita, cascalho e seixo

Brita nada mais é do que a pedra que utilizamos nas construções. É facilmente encontrada e ajudam no enraizamento das plantas. Em contrapartida, retém sais, sendo necessária lavagem de vez em quando para evitar a queima das raízes. Algumas possuem muito cálcio, podendo prejudicar algumas espécies de orquídeas. Possui durabilidade indeterminada, pseudo-eterna :).

Cacos de cerâmica

Obtidos das mais diversas fontes, como por exemplo vasos e telhas. Sempre utilizar materiais novos, pois os antigos podem estar contaminados por fungos e bactérias. Bastante porosos, retém umidade e adubo, além de serem bastante arejados. Entretanto, secam rapidamente. Fornecem uma boa sustentação à planta. Duram em média 5 anos, porém, acredito que possam durar bem mais se conservados corretamente.

Aqui eu dou uma dica: vá a uma cerâmica que fabrique aqueles vasos furados para orquídeas. Normalmente eles também cozinham as sobras destes vasos furados (as rodelinhas) e colocam à venda. Tem a vantagem de ser uma cerâmica nova (nunca usada) e em um formato interessante para o uso.

Ardósia

Basicamente, possui as mesmas qualidades e defeitos da brita. Entretanto, possui ferro, podendo ser interessante para o cultivo de orquídeas como as Laelias mineiras e outras rupícolas.

Isopor

Extremamente leve, normalmente é usado como dreno em vasos. Particularmente eu não gosto muito, como sou meio desajeitado, faz muita sujeira comigo. Não gosto de ficar caçando bolinhas de isopor. Não retém umidade nem adubo, porém, a planta se agarra bem nele por ser levemente rugoso.

Argila expandida

Utiliza o mesmo princípio que comentei das rodelinhas dos vasos de orquídeas, já que é sobra de material das cerâmicas. Retém umidade e adubo.

Perlita

Este estou colocando pois algumas pessoas o sugeriram. Perlita é um mineral de origem vulcânica que quando aquecido a altas temperaturas expande de quatro a vinte vezes o seu volume original. É leve, neutro, com alta capacidade de retenção de líquidos e adubos. Mas a grande sacada da perlita é a areação que ela fornece. Além disto, é interessante por conter alguns elementos como alumínio, silício, ferro, magnésio, cálcio, sódio e potássio. Devido a retenção de sais, sua durabilidade é de aproximadamente um ano.

Vermiculita

Equivalente a perlita, destaca-se pela retenção de líquidos. Deve-se evitar porque algumas jazidas estão contaminadas com amianto, prejudicial a nossa saúde. O certo é conhecer bem a procedência do produto.

Referências

Abraços

Deixe uma resposta